Parque Minhocão em São Paulo

O desenho inovador do parque urbano elevado foi proposto antes mesmo de projetos similares em Nova York e Paris, mas foi ignorado pela prefeitura de São Paulo.
Share on facebook
Share on google
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Em 2006 a POKT Design+Arquitetura apresentou o projeto do Parque Minhocão, no centro de São Paulo. A proposta foi encaminhada durante o concurso promovido pela prefeitura de São Paulo. O desenho inovador previa o uso de bicicletas como meio de transporte. Por isso uma ciclovia foi criada como chave no desenvolvimento do parque. Considera-se o projeto inovador porque não existiam outros no mundo ainda que contassem com as características apresentadas. O celebrado Highline Park em Nova York estava começando a ser discutido e a proposta não havia sido elaborada.

Uma das novidades do projeto era a criação de áreas de contemplação no parque, algo que acabou sendo criado também no “irmão” americano. Outra característica era a modificação da legislação para permitir novas atividades nos edifícios do entorno. Isto seria necessário para a promoção de atividades gastronômicas e culturais.
Para isso, visava-se utilizar a influência do Memorial da América Latina, localizado na extremidade do parque.

Além da região diretamente modificada com a construção do Parque Minhocão, outra área fundamental da cidade seria transformada. A proposta era utilizar algumas vigas desmontadas da via na construção de pontes em nível na Marginal Tietê. Estas pontes foram propostas com o intuito de permitir a implantação do pedágio urbano na via expressa. A desmontagem das vigas seria necessária porque precisava se garantir melhor insolação e ventilação das avenidas abaixo da estrutura. A reutilização na Marginal promovia a reciclagem da estrutura e por isso reduzia os custos de demolição. A transferência da estrutura deveria ser custeada pelo pedágio.

Projeto do Parque Minhocão em São Paulo

São Paulo para carros

A surpresa no entanto foi o ganhador do concurso na época, um escritório que previa a criação de um segundo andar sobre a via existente. A via de veículos seria mantida com seus problemas e ainda se criaria uma demanda maior por manutenção que a cidade comprovou recentemente não ter como custear. Os jurados da época provavelmente não estavam preparados para enxergar a cidade com menos espaço para carros.

Outros Projetos: